12/06/12

Nota de Agenda | Quercus e Brisa promovem visita de campo no dia 13 junho no âmbito do Projeto Biodiversidade para o Tejo Internacional‏


Projeto Biodiversidade para o Tejo Internacional

Quercus e Brisa promovem visita de campo no dia 13 junho 


Projecto Biodiversidade para o Tejo Internacional

No dia 13 de junho a Quercus e a Brisa promovem uma visita de campo para dar a conhecer as ações desenvolvidas no âmbito da parceria para o projeto de biodiversidade do Tejo Internacional.

A área do Tejo Internacional possui uma riqueza natural considerável, especialmente no que toca à fauna, podendo aí ser observadas várias espécies listadas com o estatuto de vulnerável ou em perigo de extinção no nosso País. Aproveitando o facto de a Quercus-ANCN ser proprietária de diversos terrenos nesta área, num total de 600 ha, e aí possuir também estruturas de apoio e acolhimento (Monte Barata e aldeia do Rosmaninhal), é objetivo desta parceria realizar ações que promovam a melhoria do habitat e favoreçam a reprodução e alimentação de inúmeras espécies aqui existentes, algumas delas raras e ameaçadas. Noutra linha de intervenção é também objetivo desta parceria melhorar as condições de acolhimento de visitantes e investigadores bem como disponibilizar mais informação sobre os valores naturais existentes.

Esta parceria entre a Quercus e a Brisa, iniciada em 2008, enquadra-se no programa Brisa pela Biodiversidade, segundo o qual a empresa definiu como objetivo ter um balanço global positivo dos seus impactes na biodiversidade, tendo incluído no seu modelo de gestão medidas de eficiência ecológica que permitam compensar os custos da sua atividade e, no caso concreto, apoiar projetos que demonstrem ao grande público a relevância da proteção e da promoção da biodiversidade e dos ecossistemas.


Reserva Biológica do Monte Barata

A Quercus e a Brisa assumiram uma parceria para a gestão desta reserva biológica. Uma simbiose perfeita de duas forças que querem marcar presença garantindo a proteção e defesa da Natureza, criando gosto e responsabilidade em todos os que visitam o Monte Barata e o Parque Natural do Tejo Internacional.

Esta reserva é constituída essencialmente por montado de azinho e sobro, possui 11 hectares de olival em modo de produção biológico, áreas de pastagem natural e algumas galerias de vegetação ribeirinha. Foi neste pólo de atuação que se concentraram grande parte das ações desta parceria.
Estas intervenções criaram um local que se pretende ser demonstrativo de boas práticas nos domínios da educação ambiental, do ecoturismo e da conservação da biodiversidade. No Monte Barata, existem camaratas e quartos com condições para acolher um máximo de 28 pessoas, existe um auditório para realização de palestras, cursos e reuniões, e um conjunto diversificado de estruturas como percursos pedestres, alimentador de abutres, observatórios de fauna, etc.
A busca de uma maior eco-eficiência do projeto justificou o investimento numa solução de origem fotovoltaica (energia solar), para alimentação em eletricidade das instalações.


Espécies e habitats conservados

As ações deste projeto estão a ter um efeito positivo sobre vários habitats, montado de sobro, tamujais, galerias ribeirinhas, zonas húmidas em geral e inúmeros grupos faunísticos tais como mamíferos, aves, répteis, anfíbios e invertebrados, incluindo espécies raras e ameaçadas como a águia de Bonelli, águia imperial ibérica, abutre-negro, abutre do Egipto ou o gato-bravo. As ações foram implementadas em dois polos: o primeiro pólo corresponde a cerca de 200 hectares distribuídos por vários prédios rústicos situados na freguesia do Rosmaninhal do concelho de Idanha-a-Nova. Alguns terrenos situam-se nas margens do rio Tejo Internacional ocupando estes 2.5 Km de zona ribeirinha. Estes terrenos correspondem, em geral, a zonas relativamente declivosas ocupadas por áreas de matagal mediterrânico, manchas de montado de azinho disperso, manchas de olival tradicional, escarpas e afloramentos rochosos nas margens do rio Tejo e ainda vales de alguns barrancos afluentes deste rio.

O segundo pólo de intervenção corresponde a cerca de 420 hectares do Monte Barata, reserva biológica situada nas freguesias de Malpica do Tejo e de Monforte da Beira do concelho de Castelo Branco.


Lisboa, 13 junho de 2012

A Direção Nacional da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza