16/02/16

Nota de imprensa: ETAR de São Miguel continua sem receber efluente industrial

O Núcleo Regional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza reuniu no dia 12 de Fevereiro de 2016 com a empresa Águas de Lisboa e Vale do Tejo. Foi informado que o efluente industrial proveniente da empresa Têxtil Manuel Rodrigues Tavares continua sem ser encaminhado para a ETAR de São Miguel. O rio Diz e o rio Noéme continuam a ser poluídos.

Em Agosto de 2015 tivemos conhecimento de uma resposta dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) da Guarda que dava conta que o colector e a respectiva estação elevatória de condução do efluente para a ETAR de São Miguel estavam concluídos. Nessa comunicação é dito que foi instalado um painel de sondas que permite o conhecimento online da composição química do efluente. A ausência desse instrumento de análise foi o argumento que nos foi apresentado em Novembro de 2014 pelo Presidente da Câmara Municipal da Guarda para justificar o impasse.

A empresa Águas de Lisboa e Vale do Tejo informou-nos ainda que não recebeu resposta dos SMAS e da Fábrica Manuel Rodrigues Tavares à sua última comunicação de 2014 - a pedir um novo estudo sobre a capacidade de tratamento da ETAR de São Miguel tendo em conta o caudal e carga poluente do efluente industrial.

O Núcleo Regional da Guarda gostaria que o Presidente da Câmara Municipal da Guarda e os responsáveis pela unidade industrial esclarecessem publicamente os cidadãos sobre as razões do prolongamento deste problema e sobre o que vão fazer para a sua resolução. Nesse sentido foi enviado hoje mesmo, dia 16 de Fevereiro, um ofício dirigido ao Presidente da Câmara Municipal da Guarda e aos responsáveis pela Fábrica Manuel Rodrigues Tavares.

Cabe recordar que os rios são património de todos e devem ser preservados a bem da saúde humana e equilíbrio ecológico.