04/04/11

Quercus quer levar projeto "Escolas Amigas da Água" do Algarve para todo o país

A associação ambientalista Quercus quer alargar o projeto "Escolas Amigas da Água" a outras zonas do país no próximo ano letivo, depois de uma experiência piloto positiva em parceria com a empresa Águas do Algarve na região.

O projeto pretende, segundo a empresa que faz a distribuição em alta no Algarve, "sensibilizar a comunidade escolar para um uso eficiente da água" e "está desde o início do ano letivo a ser executado em seis escolas básicas da região".
"
A nossa ideia é que o projeto que realizamos este ano aqui na região em parceria com a Águas do Algarve seja um teste para levá-lo ao resto do país", afirmou hoje o vice-presidente da Quercus Francisco Ferreira após a apresentação dos resultados da iniciativa na Escola Básica 1 (EB1) de Alto de Rodes, em Faro.

O dirigente precisou que, para isso acontecer, é necessário "encontrar parcerias junto de municípios ou outras entidades" para depois replicar o trabalho realizado com as escolas do Algarve noutras zonas do país.

Por seu turno, o administrador da Águas do Algarve, Artur Duarte Ribeiro, explicou que o projeto é um dos vários que a empresa realiza na área da Educação e Sensibilização Ambiental, foi criado para um horizonte temporal de dois anos e "pode também vir a ser realizado noutras escolas que manifestem interesse e vontade em participar".
Ao longo do ano letivo, participaram no projeto conjunto da Quercus e da Águas do Algarve as EB1 de Alto de Rodes, de Algoz, da Horta de Santo António, de Alvor, o externato Menino Jesus e o Jardim-escola João de Deus - São Bartolomeu de Messines.

Os alunos realizaram vários trabalhos sobre a necessidade de tornar mais eficientes os consumos de água nas escolas e apontaram alguns exemplos de como se pode poupar água sem grande esforço.

"Ter um autoclismo com dupla descarga ou não fazer regas nos períodos de maior calor", disse João Diogo, de nove anos, aluno do quarto ano da EB1 de Alto de Rodes, enquanto a colega Matilde apontava para a hipótese de "pôr num garrafão a água fria que sai antes da quente quando se vai tomar banho para utilizar no autoclismo".

Além de duas turmas do quarto ano, participaram ainda no projeto outras quatro, duas do segundo ano e duas do primeiro.
Um destes alunos, Hugo, disse que a água também pode ser poupada "fechando a torneira quando se está a lavar os dentes".  In Observatório do Algarve