08/01/11

Comunicado: Quercus lamenta abate de árvores em antigos jardins da Prelada

O Núcleo Regional do Porto da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, vem por este meio manifestar a sua posição em relação ao processo de abate e replantação de árvores em jardins da Prelada, autorizados pela Câmara Municipal do Porto, acto foi iniciado a 04 de Janeiro de 2011, dado estar em causa o interesse público e ambiental.
Segundo uma notícia no Jornal Público Online (05/01/2011), os jardins públicos contíguos à Urbanização Nova da Prelada, na Rua Professor Carlos Lima, foram vendidos “para permitir a construção de um estacionamento com 143 lugares que servirá um futuro supermercado Pingo Doce”. A devastação dos jardins foi iniciada no passado dia 04 de Janeiro de 2011, tendo já sido abatidas, segundo os moradores, 12 árvores, entre as quais choupos, bétulas e um plátano.
O Núcleo do Porto da Quercus lamenta profundamente a decisão da Câmara do Porto, essencialmente por 3 motivos: pelo abate das árvores, terminando assim todos os serviços vitais que elas prestavam, pela mudança de uso do solo e sua impermeabilização e pela passagem do terreno a privados. Mais uma vez se verifica que o automóvel tem prioridade sobre a qualidade de vida do cidadão.
Para além de, aparentemente, a população local não ter sido consultada, questiona-se a existência de um adequado planeamento dos espaços verdes numa cidade já tão poluída, como é o Porto.
Lamenta-se que o efeito regulador destes espaços verdes e destas árvores no ambiente urbano, a sua permeabilidade e consequente regulação das águas da chuva, a sua capacidade para absorver os impactes da circulação rodoviária (ruído e poeiras, p. ex.) e ainda o seu efeito cénico e estético, não sejam contabilizados e tenham vindo a ser sucessiva e levianamente eliminados.
O Núcleo do Porto da Quercus considera ainda que é urgente melhorar as práticas de gestão das árvores no espaço público, já que o abate de uma árvore, deve ser sempre o último recurso. E se tal for inevitável, deve ser efectuada a sua substituição no local e implementadas medidas de compensação adequadas, além de que seria essencial consultar ou pelo menos informar a população local. É este perfil de actuação que se espera de qualquer entidade com competências de conservação do património arbóreo público.

Nota: Grupo Anti-Arboricida da Quercus - Porto
Preocupado com as crescentes denúncias de abates de árvores e redução de espaços verdes na região do Porto e reconhecendo a sua importância nos meios urbanos, o Núcleo do Porto da Quercus criou um grupo de trabalho intitulado Anti-Arboricida (www.arvoresnacidade.pt.vu) constituído por voluntários estão já a trabalhar activamente na prevenção dos abates indiscriminados, sendo este o seu primeiro comunicado.

Porto, 7 de Dezembro de 2010

A Direcção do Núcleo Regional do Porto da
Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza