01/11/11

Quercus assinala 26 Anos de existência


Prémio Quercus 2011 para Parque Biológico de Gaia e Viriato Soromenho - Marques

A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, Organização Não Governamental de Ambiente com maior intervenção à escala nacional, comemora hoje, dia 31 de Outubro, o seu 26º aniversário, com a realização de um jantar comemorativo onde será atribuído o Prémio Quercus 2011. Este jantar decorrerá pelas 20:00 horas, no Restaurante “Jardim dos Sentidos” (Praça da Alegria) e no final do mesmo terá lugar a cerimónia de entrega do Prémio Quercus, que este ano galardoou o Parque Biológico de Gaia e o Professor Doutor Viriato Soromenho - Marques, ex - aequo.

A Quercus tem constituído uma referência de intervenção ambiental ao longo da sua existência, com uma análise crítica e participada sobre as opções políticas e da sociedade portuguesa nos domínios do ordenamento do território, conservação da natureza, energia e alterações climáticas, recursos hídricos, resíduos, entre outros. A sua implementação regional através de quase duas dezenas de núcleos permite-lhe uma acção próxima dos problemas locais. O trabalho desenvolvido pela Quercus é na grande maioria assegurado por voluntários.

Na comemoração dos seus 26 anos de história, a Quercus decidiu, através de decisão participada dos seus órgãos, atribuir o Prémio Quercus 2011, ex-aequo, ao Parque Biológico de Gaia e ao Professor Doutor Viriato Soromenho Marques, pelo trabalho meritório que ambos têm realizado na área do Ambiente, tanto ao nível nacional, como internacional.

O Parque Biológico de Gaia foi distinguido com o Prémio Quercus 2011 pelos quase 30 anos de trabalho em prol do Ambiente, nomeadamente ao nível da Educação Ambiental em Portugal, onde já recebeu cerca de 2,5 milhões de visitantes, e pela revista “Parques e Vida Selvagem”, o único órgão de informação de temática conservacionista e circulação nacional, já com 10 anos e 36 números editados e distribuídos gratuitamente com o Jornal de Notícias, tornando-se assim a maior iniciativa editorial de sempre na área da divulgação e sensibilização ambiental, com cerca de 4 milhões de exemplares editados. É de destacar também o seu trabalho meritório na salvaguarda de dezenas de hectares de terrenos com importância para a conservação da natureza, nas preocupações ambientais na gestão do Município de Gaia, no apoio à criação da Reserva Natural Local do Estuário do Douro e do Parque de Dunas da Aguda, no assegurar do seu Centro de Recuperação de Animais (o mais antigo do país) e no apoio a várias iniciativas ligadas ao Ambiente, um pouco por todo o país.

Viriato Soromenho - Marques foi distinguido com o Prémio Quercus 2011 pela intensa actividade ligada à defesa do ambiente que desenvolve desde 1978. Do seu extenso e vasto currículo destaca-se, entre 1992 a 1995, a Presidência da Direcção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, a nomeação em 2006 como Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique e durante os anos de 2005 e 2006 a colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian no domínio do Ambiente e da Saúde, onde assumiu, em Fevereiro de 2007 a coordenação científica do Programa Gulbenkian Ambiente, que infelizmente será extinto no final deste ano. Destaca-se igualmente, em Março de 2007, a integração no High Level Group on Energy and Climate Change, composto por 12 personalidades, encarregues de aconselhar a Comissão Europeia na viragem estratégica em matéria de energia sustentável, firmada no Conselho Europeu de 8 e 9 de Março 2007. É actualmente professor catedrático na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, regendo as cadeiras de Filosofia Social e Política e de História das Ideias na Europa Contemporânea e coordenando, igualmente, o mestrado em Filosofia da Natureza e do Ambiente.

O Prémio Quercus

O Prémio Quercus foi instituído com o objectivo de distinguir entidades, empresas ou cidadãos que se evidenciem na defesa do ambiente e na promoção do desenvolvimento sustentável:

- Em 2004, primeiro ano em que o Prémio Quercus foi atribuído nos moldes actuais, a “Plataforma Nunca Mais” foi a distinguida em reconhecimento do excelente trabalho desenvolvido em sequência do desastre ocorrido com o petroleiro “Prestige”, em Novembro de 2002, que contaminou de forma extensa o mar e a costa da Galiza, ameaçando também o território Português.

- Em 2005 o Prémio foi atribuído a Gonçalo Ribeiro Telles e José Sá Fernandes pelo empenho na defesa do ambiente e de um adequado ordenamento do território.

- Em 2006 a Câmara da Chamusca e o Eng. Gomes Pedro foram os distinguidos, respectivamente pela forma exemplar como desenvolveu o processo de participação pública na discussão da instalação de um CIRVER (Centro Integrado de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos Perigosos) e por toda uma vida dedicada ao estudo e preservação da flora, quer em Portugal, com um trabalho extenso desenvolvido sobre a vegetação da Arrábida, quer no continente Africano.

- Em 2007 o galardoado pelo Prémio Quercus foi o programa BIOSFERA, produzido para a RTP pela Farol de Ideias, pela forma exemplar como manteve as questões de ambiente em discussão ao longo de um período em que outros temas, nomeadamente económicos e sociais, ganhavam importância nos media portugueses.

- Em 2008 a Junta de Freguesia da Ericeira foi distinguida com o Prémio Quercus por ter vindo a demonstrar, através de um conjunto alargado de projectos, o seu empenho e a sua insistência em ser um contributo para a minimização dos problemas ambientais, juntamente com, a título póstumo, o Dr. José Cardoso da Rocha, reputado Cirurgião-Pediatra, por ter sido um dos pioneiros da Agricultura Biológica em Portugal.

- Em 2009 o Prémio Quercus foi atribuído ao Engenheiro Silvicultor e Arquitecto Paisagista António Facco Viana Barreto pela sua longa carreira dedicada ao ordenamento do território e por ter sido o ideólogo de instrumentos jurídicos essenciais nessa área, juntamente com, a título póstumo, Veríssimo de Freitas da Silva Borges, Biólogo e ambientalista, pelo contributo de toda uma vida à causa ambiental revelando-se um dos mais activos dirigentes da Quercus e, no contexto açoriano, uma das vozes mais insistentes na defesa dos valores ambientais.

- Em 2010, foram distinguidos com o Prémio Quercus, Carlos Pimenta, Engenheiro Electrotécnico, e Luísa Schmidt, Socióloga e Investigadora, o primeiro galardoado destacando-se por ter deixado uma marca de competência e determinação na promoção da sustentabilidade aquando da sua passagem pela governação de Portugal, entre 1983 e 1987, como Secretário de Estado do Ambiente e a segunda galardoada pela promoção da análise social acutilante das questões ambientais e da sustentabilidade, através de projectos de investigação e divulgação destas temáticas junto da sociedade portuguesa.

Lisboa, 31 de Outubro de 2011

A Direcção Nacional da

Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

_______________________________________________________________________